astrespiramides

astrespiramides

sexta-feira, 3 de agosto de 2012

Mudar de roupa



A ideia de mudar de roupa é frequentemente utilizada na literatura espiritual para descrever uma transformação, “ quando Jesus se transfigurou, as suas vestes tomaram-se tão brilhantes que os discípulos mal conseguiram olhar para Ele”, num texto místico Judeu descreve-se uma visão do patriarca Henoch na qual lhe é retirada a sua “ veste terrena” e é revestido com “ vestes gloriosas”, na literatura mística, quando alguém nos diz que esta a mudar de roupa, geralmente significa que teve uma experiencia do Ser, transformando-se num ser celestial.
Mas nós simples mortais imperfeitos, será que também não podemos mudar de roupa, ao enveredarmos por largarmos o orgulho que nos afasta de nós mesmos e dos demais, ao vencer os medos que nos aprisionam em cativeiros sem grades, ao partilharmos nem que seja um pouco do nosso tempo com quem precisa ser escutado, sim posso estar errada mas penso que há várias formas de irmos despindo nossas vestes que por vezes mais parecem proteções de guerra.

Quando era menina
via os anjos perto de mim
mas cresci…
e deixei que os véus de Maia os tapassem
quando criança
as fadas voavam em meu redor
mas então cresci…
e elas fugiram de mim
e nas labaredas
do fogo incandescente
os silfos saltitavam
numa dança magica,
e as ondinas deslizavam
nas pedras brilhantes do rio,
mas então cresci
hoje os gnomos sopram meu rosto brincalhões
e eu penso ser o vento a tocar-me
onde foi que perdi a inocência de menina

28 comentários:

  1. Nao acho que perdeu a inocencia...
    se tivesse perdido nao teria escrito
    um poema tao bonito...que tocou meu coração...bj

    ResponderEliminar
  2. Que maravilha de poesia..Fotos lindíssimas também!! Gosto da intensidade que dás aos poemas...beijos,lindo fds,chica

    ResponderEliminar
  3. O ser humano e acima de tudo um ser finito em busca do infinito, tem a capacidade de sonhar infinitivamente ,mas ao mesmo tempo tao pequenino comparando com o seu cerebro .Quantas vezes ja tive a necessidade de recuar no tempo ,recordar e viver como e maravilhoso ver como a vida nos tranformou de tal maneira que e impossivel esquecer o passado .Muitos dizem que temos que viver o presente sempre ,mas eu digo sempre, recordo o passado vivendo o presente e sonhando o futuro .Adorei o poema magnifico beijo

    ResponderEliminar
  4. A mudança de vestes, de roupa, a transformação do ser, tal como acontece no final da opera rock Jesus Christ Superstar! Mas sim, também nós mudamos de roupa, de pele, nos exemplos dados no texto. Mas não, Luna, não se perdem os gnomos nem as fadas nem os anjos, seres eternos colados à nossa própria alma...

    Um beijinho. Assim_________

    ResponderEliminar
  5. Boa noite Luna,

    Gostei muito da abordagem histórica, que fez, usando metáforas inteligentes e a propósito.
    Mudamos de roupa exterior, todos os dias, por princípio. O pior é a interior.
    Façamos um esforço no sentido de nos darmos aos outros, nem que seja, num olhar sorridente ou numa saudação, onde apareçam os dentes.

    O seu poema, insere-se no tema, e está muito profundo. Da inocência, de que fala, perdê-mo-la, ao longo desta vida, desta estrada, por vezes, sinuosa, mas em nós "baila" a pergunta, de forma intrigada: ONDE PERDI EU A INOCÊNCIA DE MENINA?

    Obrigada pelo seu comentário.
    Os homens veem-nos, mesmo assim, sem dúvidas (há muitos mais viúvas que viúvos, e quando estes ficam sem companheira, entram em decadência física, e, por vezes, mental).

    É BOM SER MULHER!

    Bom fim de semana.
    Beijos da Luz.

    ResponderEliminar
  6. Luna,

    Esqueci-me de falar das fotos. Como sempre, muito grandiosas.
    Vou colocar no painel do seu blogue, a minha fotografia do tempo da Faculdade. O meu verdadeiro nome é Emília. Assim, sei quando posta.

    Beijinhos da Luz (nome de blogue).

    ResponderEliminar
  7. Querida amiga

    Penso que viver
    é semear com palavras,
    imagens e sonhos
    palavras que acordem
    o belo,
    o justo
    e o melhor do mundo
    em outras vidas.

    Que este seja o nosso
    compromisso com a vida

    Aluísio Cavalcante Jr.

    ResponderEliminar
  8. As Fotos estão demais...
    Poemas, sempre belos....
    Beijo

    ResponderEliminar
  9. Temos que ir mudando de roupa sempre, isto é, temos que ser sempre melhores.
    Gostei do texto, tanto da prosa inicial como da poesia.
    Beijo, querida amiga.

    ResponderEliminar
  10. Simplesmente maravilhoso, mas minha amiga acho que não perdeu a magia de criança, pois se assim fosse não conseguiria escrever com todo este encanto e leveza de alma.
    Bom fim de semana.
    beijinhos
    Maria

    ResponderEliminar
  11. Sublime inspiração, Luna.
    Não deixemos que o nosso orgulho de adultos nos impeça de observar e agir com o nosso sentir de crianças.
    Maravilhoso texto e poema e as fotos sempre deslumbrantes.
    Beijinhos e bom fim de semana.

    ResponderEliminar
  12. Ai Luna,que linda poesia!É mesmo uma pena a gente crescer!Adorei a sua msg tb, de tirar esse véu do orgulho que temos e procurar mudar...linda analogia!bjs e meu carinho,

    ResponderEliminar
  13. Adorei o poema e as fotos, nem te conto que eu cresci...
    bjs.
    Luna bom final de semana.

    ResponderEliminar
  14. A inocência...pois , a inocência se perde. Mas que a saibamos reaver quando necessario.


    Beijinhos, amiga

    ResponderEliminar
  15. Como a lagarta que muda de roupa e se transforma em borboleta... e
    Sua inocência se preservou intacta, me parece, pela beleza de seu texto... ainda há gnomos disfarçados de brisa a soprar em tua pele.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  16. Sim, na filosofia budista há essa simbologia do mudar de roupa para renovação interior.

    Nem sempre fácil, mas com a prática|meditação vamos lá chegando... a esse ideal de vivermos melhor em nós e em tudo que nos rodeia.

    A tua poesia é de grande beleza, de uma sensibilidade em que a alma de menina se entrecruza com a alma de mulher!

    Que assim possas continuar nessa caminhada de vida presa aos sentimentos.

    ResponderEliminar
  17. Olá lindo blog,lindas poesias!Parabéns beijos.

    ResponderEliminar
  18. Heranças frias caem como presentes
    Uma árvore morreu, sem nada dizer
    Uma palavra ficou perdida no chão da rua
    Uma última palavra que nunca será tua

    Uma menina feliz chega a mim pelos seus pés
    Vinda de um mundo desenhado na ilusão
    Trás uma grinalda de flores de sangue
    Colhidas a um ferido coração

    Convido-te a tocar e ler o “Meu muro das tentações”


    Doce beijo

    ResponderEliminar
  19. Boa noite,obrigada pela visita,e seu carinho beijos.

    ResponderEliminar
  20. -..."Então cresci...e elas fugiram de mim..."
    Magnífica entrada que dá muito para pensar! meu beijo em azulo...
    BShell

    ResponderEliminar
  21. É fato, Luna: nunca sabemos onde se foi a nossa inocência; mas um dia mudaremos de roupa, sim, e voltaremos a ser capazes de enxergar tudo isso! Boa semana.

    ResponderEliminar
  22. Luna

    Nas leituras de musticismno, será que não podemos sempre, invocar inocência?
    Beijos

    http://daniemilagre.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  23. Renovar a Alma com roupagens limpas, é o modo de se ver a Vida.
    Mas, renovar a inocência (no seguimento) é apenas temperar a simplicidade e a identidade com tranquilidade de quem não deve nada ao Mundo.
    Amei o teu Poema.


    Beijos

    SOL

    ResponderEliminar
  24. Voce esta encantada,eu tenho certeza. Anjos, fadas, duendes e gnomos estan em torno de voce o tempo todo, de outro modo seria impossível escrever estas palavras e mostrar imagenes tao inspiradoras!

    ResponderEliminar
  25. Cara Luna! Já lá estive diversas vezes e, é sempre, um prazer retornar. Sobretudo deixar-me "envolver" pela atmosfera do local. Obrigado pelo relembrar-me...

    ResponderEliminar
  26. Oi Luna
    Gostei muito dessa forma de pensar sobre a vestes , as roupas que trocamos sem que reflitamos sobre o que cada veste pode nos transformar em nova personalidade .
    Usando metáforas conseguistes um belo poema.
    Parabéns

    ResponderEliminar