astrespiramides

astrespiramides

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Teias


De teias tecida,
de vida lavrada,
entre o tudo e o nada
fica o  dissecar suspenso
entre a terra e o ar
folhas circunflexas, rasantes,
sentindo o juízo final
amnistia fatal
procurando entre o bem e o mal
o sulco promissor,
do provir, amanhã.

Poema e fotos de Luna

22 comentários:

  1. Oi Luna e que o provir de amanhã seja sempre bom, lindo poema e as fotos sempre com um requinte especial.
    Beijos pra ti!

    ResponderEliminar
  2. Querida Luna,

    As fotos estão maravilhosas e o poema é lindo. Um porvir sereno, esperamos!


    Beijo com carinho

    ResponderEliminar
  3. Poema e fotos excelentes.
    Já não sabes fazer por menos...
    Há muito tempo que aqui não vinha... mas mais vale tarde do que nunca...
    Beijo, querida amiga Luna.

    ResponderEliminar
  4. Fios de seda incrívelmemente resistentes Luna asim são as teias.
    estava sentindo saudade das suas poesias e das fotos maravilhosas.
    um abraço e um ótimo fim de semana

    ResponderEliminar
  5. A delicadeza da teia é pura ilusão de ótica. Adorei!
    Um beijo grande

    ResponderEliminar
  6. Que o porvir seja encantado...
    Belissimo conjunto Luna!

    Bjs dos Alpes

    ResponderEliminar
  7. Mais uma vez nos presenteias com um bonito poema.
    Beijinho e bom fim de semana.
    Nota: Para quando o livrinho?
    Zeparafuso

    ResponderEliminar
  8. Luna
    Adorei!!!
    As imagens estão espectaculares comtemplando este belissimo poema.
    Beijinho

    ResponderEliminar
  9. Minha querida

    Lindo como sempre e iluminado por belas imagens, adorei e deixo um beijinho
    Rosa

    ResponderEliminar
  10. Excelente poema muito bem acompanhado por fotos lindíssimas. Tem tanto de poeta como de boa fotografa. Parabéns

    ResponderEliminar
  11. Olá, desculpe invadir seu espaço assim sem avisar. Meu nome é Fabrício e cheguei até vc através do Blog do São. Bom, tanta ousadia minha é para convidar vc pra seguir meu blog Narroterapia. Sabe como é, né? Quem escreve precisa de outro alguém do outro lado. Além disso, sinceramente gostei do seu comentário e do comentário de outras pessoas. Estou me aprimorando, e com os comentários sinceros posso me nortear melhor. Divulgar não é tb nenhuma heresia, haja vista que no meio literário isso faz diferença na distribuição de um livro. Muitos autores divulgam seu trabalho até na televisão. Escrever é possível, divulgar é preciso! (rs) Dei uma linda no seu texto, vou continuar passando por aqui...rs

    Narroterapia:

    Uma terapia pra quem gosta de escrever. Assim é a narroterapia. São narrativas de fatos e sentimentos. Palavras sem nome, tímidas, nunca saíram de dentro, sempre morreram na garganta. Palavras com almas de puta que pelo menos enrubescem como as prostitutas de Doistoéviski, certamente um alívio para o pensamento, o mais arisco dos animais.

    Espero que vc aceite meu convite e siga meu blog, será um prazer ver seu rosto ali.

    Abraços

    http://narroterapia.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  12. Luna querida!

    Saudades" Poema e fotos belíssimas!

    Beijos, amiga! que o amanhã traga SEMPRE muita LUZ!

    Mirze

    ResponderEliminar
  13. Bom dia!

    Nosso antigo blog – Nuestro Cielo – infelizmente foi invadido e completamente excluído, o que nos obrigou a criar outro novamente.
    Pedimos desculpas pela confusão. 
    Aqui está o link do novo blog:

    http://nuestrociello.blogspot.com

    Esperamos poder nos encontrar por lá novamente.

    Beijos carinhosos!

    Wilson e Sanzinha

    ResponderEliminar
  14. .

    .

    . a teia como tecido de linho . de cânhamo ou algodão . ou rede construída pelas aranhas felizes . poetica.mente a teia constitui o archote que ilumina a palavra toda . e tanta .

    .

    . uma boa semana .

    .

    . um abraço .

    .

    .

    ResponderEliminar
  15. Um barco parado no cais de espera
    Amarras soltas do frio ferro
    Uma gaivota adormeceu sem penas
    Uma criança chora no meio do aterro

    Cheio de penas amarro a alma
    Uma saudade arrocha meu peito
    Sou um caçador de nuvens breves
    Um romântico sem ponta de jeito

    Um barco de papel perdido do norte
    Roseira plantada num campo de pedras nuas
    Uma casa perdida da sua cidade
    Um labirinto feito de mil e muitas ruas


    Doce beijo

    ResponderEliminar
  16. E assim vamos tecendo a vida!
    O amanhã se verá!

    As fotos estão lidíssimas.

    ResponderEliminar
  17. A vida é assim, a cada dia novos começos.Desejo um ótimo começo de semana cheio de coisas maravilhosa pra você. Beijo grande!
    Smareis

    ResponderEliminar
  18. Vim "matar" saudades da tua maravilhosa poesia.

    Fiquei "presa" na teia desta bela poesia e nas maravilhosas imagens.

    Adorei!!!!

    Um grande beijinho,
    Paula

    ResponderEliminar
  19. Os poemas são sempre lindos, mas as fotos estão cada vez melhor!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  20. tecendo vida.
    o que mantém em suspenso e o que será o porvir!
    "entre o tudo e o nada", apesar de translúcido.
    boas fotos.

    kandandos... inté!

    ResponderEliminar
  21. " entre tudo e o nada" tecendo a vida no verbo provir. Delicioso poema, querida Luna.
    Beijito amigo e uma flor.

    ResponderEliminar